Total de visualizações de página

quinta-feira, 28 de dezembro de 2017

Passeio de índio! Será???

Domingo, véspera Natal, levei uma galera para catar pitangas (literalmente) e saborear aquele peixinho no Bar do Tiririca, em Marrecas.


Sol a pinos. Calor quase insuportável... Pode não ter sido o que esperavam, mas foi um grande prazer levar parte da família da minha Cristal, que é minha também, para conhecer esse meu cantinho. Vejam as fotos.



De acordo com o ditado popular "cunhado não é parente", mas posso afirmar que família não é apenas uma questão de sangue, é quem segura sua mão e ampara seu coração quando mais você precisa. 



Valeu família! Se quiserem e quando quiserem é só falar. Eu, adorei o dia!

segunda-feira, 25 de dezembro de 2017

Feliz Natal - 2017

Que a alegria do nascimento do Menino Jesus se repita por todos os lares desse planeta




quarta-feira, 20 de dezembro de 2017

Papai Noel 2017

Na segunda-feira (18) tive oportunidade de juntamente com a família JCC, visitar a creche municipal  Jocinéia da Silva Borges levando pequenas lembranças e principalmente carinho e atenção.


Já participei de campanhas como essa por diversas vezes, e confesso que gostaria de fazer uma bela trilha para levar brinquedos até as crianças de localidades mais distantes e de difícil aceso, mas não posso negar que a visita a creche também foi muito bom, pois não tem nada mais gratificante que ganhar um sorriso sincero de uma criança.


Embora tenha sido a minha primeira visita a creche, essa já é a terceira vez que o JCC visita a mesma. Creche que foi "adotada" por estar situada no mesmo bairro de nossa sede.  


Não há palavras para descrever o contentamento e alegria dos pequenos, ao nos receber e se encantar com a presença do Papai Noel. Valeu a pena variar a rotina daqueles crianças e levar uma pequena lembrança, que para alguns será a única recebida neste fim de ano.



Parabéns Jeep Clube de Campos pela dedicação e compromisso para coma sociedade. Mais foto.

terça-feira, 12 de dezembro de 2017

10 dicas para prolongar a vida útil dos pneus

O pessoal da Associação Nacional da Indústria de Pneumáticos dá das dicas pra você não vacilar com os pneus da sua nave.


A Associação Nacional da Indústria de Pneumáticos, ANIP, soltou uma lista com dez dicas importantes para garantir que não haja sustos pra você durante sua viagem. Segundo a entidade, é muito importante que a manutenção dos pneus esteja em dia. Confira as dicas:

1 – Evite sobrecarga
Os pneus têm a informação sobre a carga máxima na lateral. Ela é indicada por números que representam o limite de peso do pneu (ex: 152 = 3550 kg pneus para dimensão 295/80R22.5). É importante garantir que o caminhão não esteja sobrecarregado para evitar desequilíbrios nos eixos e para poder circular em segurança. O excesso de carga exige mais dos pneus e reduz a sua vida útil.

2- Condução defensiva é economia
Freadas bruscas e alta velocidade gastam mais o pneu. Por isso, é importante adotar uma condução defensiva. Além de ser mais seguro, também reduz o desgaste dos pneus, o que atrasa a troca.

3 – Atenção ao desgaste
O TWI (ou Tread Wear Indicator) é o nome técnico da saliência com 1,6 mm que está nos sulcos do pneu. Ele representa o limite de segurança e, caso o desgaste do pneu esteja próximo ou atinja esse indicador, significa que já está na hora de trocá-lo. Abaixo dessa medida, o pneu já passa a ser considerado “careca”. A resolução do Contran 558/80 estabelece que trafegar com pneus abaixo do limite é ilegal. O veículo pode ser multado e apreendido.

4- A influência de fatores externos
O TWI não é o único sinal de desgaste a ser observado. Os caminhões circulam por vários tipos de estrada (trajeto, piso e topografia) e encaram os mais diversos climas. Os pneus são afetados por esses fatores e por isso é importante ficar atento às rachaduras, cortes mais profundos tanto na lateral quanto na banda de rodagem.

5 – Calibragem
A calibragem adequada é essencial para a segurança. Quando a pressão está abaixo do nível recomendado pelo fabricante, o pneu fica mais quente, desgasta mais rápido, pode causar rachaduras nos flancos da carcaça e leva à perda de estabilidade em curvas. Já quando a pressão está acima do adequado, o desgaste é mais visível na área central da banda de rodagem, pode resultar em rachaduras na base dos sulcos e o pneu se torna mais suscetível a rompimento da banda, podendo causar acidentes.

6- Não esqueça do estepe
Apesar de não estar em uso, o estepe também deve ter a manutenção em dia caso seja necessário. Verifique sempre a pressão e o desgaste antes de pegar a estrada.

7 – Pneus de carga podem ser reformados?
Sim. A construção dos pneus de carga permite que sejam recapados até três ou quatro vezes, mediante a qualidade e o estado da carcaça. A recapagem substitui somente a borracha desgastada da banda de rodagem em contato com o solo. No entanto, vale lembrar que qualquer reforma de pneus deve ser feita de em locais com o selo do Inmetro para que haja garantias de que o serviço seja realizado de forma adequada e de maneira a assegurar a segurança do motorista e sobretudo garantir a segurança nas estradas.

8 – Alinhamento / Balanceamento
Um alinhamento e balanceamento corretos garantem mais segurança durante o transporte em função da maior estabilidade do veículo, maior vida útil dos pneus e redução do consumo de combustível.

9 – Rodízio
A má distribuição de carga e o tipo de direção do motorista podem levar ao desgaste irregular dos pneus. Uma das maneiras de prolongar a vida útil dos pneus e de tornar a viagem mais segura é o rodízio de pneus, que consiste em trocá-los de posição para igualar o desgaste. Ele deve ser feito mediante o nível de desgaste da banda de rodagem, sempre com supervisão de um especialista. O desgaste irregular também exige mais dos pneus, o que resulta em um aumento do consumo de combustível. O rodízio varia de acordo com o tipo de caminhão e por isso é sempre necessário verificar as orientações do manual do veículo. Caso o desgaste esteja próximo ou atingido o TWI, troque o pneu.

10 – Cuidado com derivados de petróleo e solventes
O contato com derivados de petróleo e solventes não é benéfico para os pneus, já que atacam a borracha. Esteja atento para não estacionar sobre poças de óleo e verifique se os produtos usados nas rodas possuem alguns destes elementos.

Fonte: https://planetacaminhao.com.br/10-dicas-para-prolongar-vida-util-dos-pneus/

terça-feira, 5 de dezembro de 2017

Confraternização JCC - 2017

Sábado aconteceu a confraternização de fim de ano do jeep Clube de Campos (JCC), festa repleta de pessoas alegres e de bem com a vida. Famílias representadas em gerações.




Leila e Mello, como sempre, se empenharam e mais uma vez fizeram uma festa muito harmônica, mesmo sendo, marcada como a despedida deles da presidência do nosso Jeep Clube. Tarefa que fizeram de forma espetacular. Confira mais fotos.


Infelizmente, ou melhor, felizmente diante da atual crise, tive que me ausentar cedo da festa para ir trabalhar. E o pior foi perder a trilha que rolou no dia seguinte.😢 Dessa vez não deu para ir, mas meu representante - Pedro - estava lá.


Parabéns para essa galera que faz acontecer! Parabéns, mais uma vez Leila e Melo, vocês fizeram a diferença e deixam um bom legado para os veteranos e futuras gerações.

terça-feira, 28 de novembro de 2017

Arelama comemora 10 anos (11/2017)

O último sábado foi dia de celebrar os 10 anos do Arelama, o jeep clube de Quissamã, que preparou com muito zelo, competência e carinho um evento que ficará na história.


Com intuito de aproveitar bem esse evento (provavelmente o último do gênero em nossa região, este ano) saí de Campos, sábado em cedo, com minha trupe, mais uma galera da equipe Off Road 4X4. E com a chuva que caiu semana passada deu até para brincar um pouquinho até chegarmos a Quissamã.    


Na sede própria do Arelama , local do evento, nos juntamos aos integrantes do Jeep Clube de Campos que seguiram para lá desde sexta-feira, e a diversos amigos do mundo off road que foram prestigiar o evento. 



Após um farto café da manhã e com inscrições realizadas, aconteceu a abertura oficial do evento seguido por trilha que percorreu as belas restingas da região até a praia. 




Retornando a sede, a galera se divertiu na pista de obstáculos até o início da noite, quando começou a rolar um forró que seguiu madrugada a dentro... Domingo pela manhã, aproveitamos para colocar o papo em dia e retornamos as nossos lares. Veja mais fotos.




Agradeço a hospitalidade do Arelama e desejo muitas trilhas e off-rood na caminhada do grupo.

quinta-feira, 23 de novembro de 2017

Câncer de próstata, silencioso e perigoso

Considerada uma das doenças silenciosas que mais causa óbitos a pessoas do sexo masculino, o câncer de próstata vem aumentando o número de vítimas no País e já chamou atenção também dos motoristas de caminhão, que já estão conscientes da importância em detectá-la ainda no seu início.

O que é próstata?
A próstata é uma glândula que só o homem possui e que se localiza na parte baixa do abdômen. Ela é um órgão muito pequeno, tem a forma de maçã e se situa logo abaixo da bexiga e à frente do reto. A próstata envolve a porção inicial da uretra, tubo pelo qual a urina armazenada na bexiga é eliminada. A próstata produz parte do sêmen, líquido espesso que contém os espermatozóides, liberado durante o ato sexual.

Dados do câncer de próstata
No Brasil, o câncer de próstata é o segundo mais comum entre os homens (atrás apenas do câncer de pele não-melanoma). Em valores absolutos e considerando ambos os sexos é o quarto tipo mais comum e o segundo mais incidente entre os homens. A taxa de incidência é maior nos países desenvolvidos em comparação aos países em desenvolvimento.
Mais do que qualquer outro tipo, é considerado um câncer da terceira idade, já que cerca de três quartos dos casos no mundo ocorrem a partir dos 65 anos. O aumento observado nas taxas de incidência no Brasil pode ser parcialmente justificado pela evolução dos métodos diagnósticos (exames), pela melhoria na qualidade dos sistemas de informação do país e pelo aumento na expectativa de vida.
Importância do diagnóstico precoce
De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), a detecção precoce de um câncer compreende duas diferentes estratégias: uma destinada ao diagnóstico em pessoas que apresentam sinais iniciais da doença (diagnóstico precoce) e outra voltada para pessoas sem nenhum sintoma e aparentemente saudáveis (rastreamento).
O diagnóstico precoce é de suma importância para a cura.
Procurar um especialista é o primeiro passo para iniciar o acompanhamento, que pode envolver diversos tipos de exames, como o PSA total, o PSA livre – e a relação livre/total, a ultrassonografia prostática e o toque retal.
Prevenção
Já está comprovado que uma dieta rica em frutas, verduras, legumes, grãos e cereais integrais, e com menos gordura, principalmente as de origem animal, ajuda a diminuir o risco de câncer, como também de outras doenças crônicas não-transmissíveis.
Hábitos saudáveis também são recomendados, como fazer, no mínimo, 30 minutos diários de atividade física, manter o peso adequado à altura, diminuir o consumo de álcool e não fumar.
A idade é um fator de risco importante para o câncer de próstata, uma vez que tanto a incidência como a mortalidade aumentam significativamente após os 50 anos.
Pai ou irmão com câncer de próstata antes dos 60 anos pode aumentar o risco de se ter a doença de 3 a 10 vezes comparado à população em geral.
Sintomas
Em sua fase inicial, o câncer da próstata tem evolução silenciosa. Muitos pacientes não apresentam nenhum sintoma ou, quando apresentam, são semelhantes aos do crescimento benigno da próstata (dificuldade de urinar, necessidade de urinar mais vezes durante o dia ou a noite).
Na fase avançada, pode provocar dor óssea, sintomas urinários ou, quando mais grave, infecção generalizada ou insuficiência renal.
Fonte: http://www.ocarreteiro.com.br/cancer-de-prostata-silencioso-e-perigoso/

terça-feira, 21 de novembro de 2017

Rolé no Pontal

No final de semana prolongado tive a oportunidade de estar, com minha família, em Atafona, onde fomos muito bem acolhidos pela família Mello.



Dias de alegria, descontração e diversão com diversos amigos que por lá passaram, destaque especial para os rolezinhos noturnos no Pontal de Atafona, local de beleza única mesmo a noite com tempestade de areia. Mais fotos.



Que possamos ter oportunidade de vivermos mais momentos como estes!

segunda-feira, 13 de novembro de 2017

Choveu, deu trilha

Após uma chuvinha que persistiu por toda a noite, não tive como resistir... Coloquei pilha e agitei uma galera para um passeio em busca de lama, porque a tal da poeira já está de bom tamanho.


Assim, saímos na tarde de domingo em busca daquilo que amamos: aventura off road. + Fotos



Deu bom! 

terça-feira, 7 de novembro de 2017

Motorista que estourar limite de 20 pontos perderá CNH por 6 meses

Desde 1º de novembro, o motorista que acumular 20 pontos ou mais na Carteira Nacional de Habilitação (CNH) terá a carteira suspensa por pelo menos seis meses. O alerta é do Departamento Estadual de Trânsito de São Paulo (Detran.SP). Antes, o tempo mínimo era de um mês. O máximo permanece em 12 meses.


O período maior de suspensão foi estabelecido pela Lei Federal nº 13.281, que promoveu alterações no Código de Trânsito Brasileiro (CTB). Em vigor desde novembro de 2016, a norma produzirá efeitos nos processos de suspensões a partir de agora porque o condutor é penalizado ao somar ou ultrapassar 20 pontos no período de 12 meses contados a partir da primeira infração.

Motoristas reincidentes na perda da CNH no período de um ano receberão a pena mínima de oito meses. Atualmente, nesses casos, é de seis meses. Já o tempo máximo permanece em 24 meses.

Quem foi notificado sobre a instauração do processo e acumular pontuação de infrações cometidas antes de 1º de novembro de 2016 ainda receberá penalidade de acordo com a regra anterior, partindo de um mês de suspensão. O prazo total é estipulado de acordo com o histórico do cidadão e da gravidade das infrações que constam em seu prontuário.

Entenda como funciona o processo de suspensão

O condutor não tem a habilitação suspensa imediatamente após somar os 20 pontos na CNH. Ele é notificado pelo Detran sobre a abertura do processo e tem o direito de apresentar defesa em diversas instâncias, conforme garante a legislação federal. O recurso pode ser apresentado de forma online no portal www.detran.sp.gov.br.

Ao ter a suspensão decretada, o cidadão recebe uma notificação para comparecer à unidade do Detran, entregar a habilitação e assinar o termo de suspensão, quando terá início o cumprimento da pena. A partir desse momento, o motorista está impedido de dirigir. Caso conduza qualquer veículo, poderá ter a habilitação cassada por dois anos.

Depois de cumprir a suspensão, a CNH será restituída e o motorista poderá voltar ao volante após apresentar o certificado de conclusão do curso de reciclagem – oferecido pelos Centros de Formação de Condutores (CFCs) de forma presencial ou a distância. Quem tem a habilitação cassada, além da reciclagem, tem de refazer os exames médico, psicotécnico, teórico e prático de direção veicular.

Dados do Detran.SP mostram que a média mensal de suspensão da CNH cresceu 50% de 2015 para 2017 no Estado. Neste ano, entre janeiro e setembro, 424.625 condutores iniciaram o cumprimento da suspensão, enquanto em todo o ano de 2015 foram 377.341. Na Capital paulista, a média de habilitações suspensas cresceu 55%. Em 2017, foram 187.266 suspensões, ante 160.999 em 2015.

Os números incluem tanto as suspensões por somatória de pontos quanto as decorrentes de uma única infração que por si só leva à privação do direito de dirigir, como misturar bebida e direção, ultrapassar em 50% a velocidade máxima permitida na via ou praticar racha, por exemplo.

Fonte: http://www.ocarreteiro.com.br/motorista-que-atingir-20-pontos-na-cnh-fica-suspenso-por-pelo-menos-6-meses/

terça-feira, 31 de outubro de 2017

4ª Trilha do Batom

Aconteceu no último final de semana mais uma Trilha do Batom, evento dedicado as mulheres e amado pelas jeepeiras de plantão.


Este ano o evento foi organizado pelo Jeep Clube de Campos, que manteve, ou até superou, as edições anteriores.



A Trilha do Batom é um evento dedicado as jeepeiras, mas nem por isso excluí os jeepeiros, na verdade é um evento com brincadeiras sadias, voltado para toda a família. Harmonia, confraternização e brincadeiras offroad são características próprias do evento. Vejam mais fotos aqui.


A festa começou para muitos desde sexta-feira, mas foi no sábado que houve a abertura oficail e o inicio das aventuras offroad, com um passeio voltado para as meninas. Retornando a nossa base, a descontração marcou o resto do dia com direito a um belíssimo por do sol, passeio de barco sobre a areia, pancadão, fogueira, etc..




O domingo iniciou com alguns atolamentos e logo em seguida teve inicio as provas de circuito, onde as meninas deram mais um show e a família Kock superou as expectativas



Enfim, foi um final de semana maravilhoso, em companhia de velhos e novos amigos... 
Por mais eventos e finais de semana assim. 

quarta-feira, 25 de outubro de 2017

O manual para encarar a lama sem drama

Um passeio de final de semana pode virar um pesadelo se o carro atolar no meio da viagem. Aprenda o que fazer para sair desse buraco

Não tem coisa melhor que aproveitar os dias de folga para viajar. Porém, o que seria o passeio dos sonhos pode virar um verdadeiro pesadelo se a família ficar com o veículo atolado no meio do nada. Isso ocorre diariamente com muita gente, principalmente com os carros de passeio, que não possuem capacidade de tração suficiente para sair desse tipo de situação.

Quando o carro atola, é hora de parar de acelerar.
Como aconteceu com o vendedor Gian Pier De Caprio, que passou uma madrugada inteira dentro do carro com mulher, dois filhos e a sogra. “Já era de noite, tentei ligar para todo mundo, mas, como estávamos longe, ninguém poderia nos socorrer. Então, ficamos lá mesmo”, diz. Só às 6 da manhã ele conseguiu socorro do pessoal do sítio aonde ele ia. Vieram três pessoas acudir com um carro, uma corda e uma pá.

Além do estresse e de acabar com a viagem de qualquer um, o perigo de ficar dentro do carro à noite pode ser ainda mais traumático. Com algumas regras básicas, você pode sair facilmente do buraco e aproveitar as férias como elas devem ser.

Uma das situações mais comuns, por exemplo, é encalhar na areia a caminho da praia. Nesse caso, pare de acelerar forte, que só vai piorar. Se o carro não se mover, é hora de sair do volante e avaliar o problema. Procure um pedaço de madeira ou utilize a calota do carro para começar a limpar o caminho dos pneus, cavando um trilho para que sirva como rota de fuga. Se puder, alivie um pouco o peso do veículo. Caso tenha muitas malas, tire-as para facilitar o trabalho.

O próximo passo é utilizar o macaco. Com uma tábua ou alguma superfície mais resistente, apoie-o para ele não afundar e levante o carro até tirar a roda do chão. Caso ele erga o carro e o pneu continue na areia, utilize o método do “macaco baiano”. “Basta cavar o chão e pôr o macaco sob a roda para levantá-la. Depois, coloque folhas, pedaços de galho, jornal ou até o tapete do carro embaixo do pneu”, diz Eduardo Sachs, diretor técnico do Rally dos Sertões.

Você não encontrou pedaços de madeira ou jornal e não quer saber de estragar o tapete do carro? Então abra a mala e pegue uma roupa velha ou que possa ser “sacrificada”. Isso também ajuda. Agora é só entrar no carro e acelerar devagar, enquanto as outras pessoas vão empurrando com força.

Uma dica para encarar a areia é reduzir a pressão dos pneus
Se você sabe com antecedência que vai encarar esse tipo de terreno, um boa dica é murchar o pneu antes de entrar na areia, baixando em geral para a metade do recomendado. Se a calibragem for 28 ou 30 libras, passe para 15. “A cada 10 segundos murchando o pneu, a pessoa baixa 1 libra em média. Com essa contagem, a pessoa deixa todos os pneus com a mesma calibragem”, diz Eduardo. Mas atenção: não se esqueça nesse caso de levar um compressor elétrico, desses que são ligados no acendedor de cigarro.

Ao entrar na areia, acelere e mantenha em marcha mais baixa. O importante não é velocidade e sim manter o giro do motor alto. Entre em segunda marcha, com 2.000 rpm, ou em primeira, com 4.000. Outro truque é também entrar na areia girando o volante de um lado para o outro. Conte “um, dois” e ao mesmo tempo gire um pouco para a direita, depois mais “um, dois” e vire para a esquerda. Quando for frear, faça sempre de forma suave, nunca bruscamente, para não cavar a areia ao parar e formar um buraco.

Para sair da lama, faça quase o mesmo. Se perceber que está atolando, pare, dê a ré o máximo possível e depois acelere para tentar vencer o obstáculo no embalo. Parou? Dê ré e repita a operação. “O importante é não ficar parado acelerando, porque assim se vai escorregando e atolando cada vez mais”, diz João Roberto Gaiotto, instrutor de cursos off-road.

Na lama, o importante é manter o giro alto
Ao enfrentar a lama, você não pode ir tão devagar como na areia. Se entrar muito rápido ou muito devagar, ele vai parar. Use a segunda ou a primeira marcha com uma rotação média, algo entre 1.500 e 3.000 giros. Se encalhou de vez, cave o terreno e tire o barro que fica na roda e que está à frente do pneu. Coloque pedras, pedregulhos ou pedaços de madeira sob o pneu, pois, ao acelerar, ele sairá. Nesse caso, galhos, jornal e roupa de nada irão adiantar. “Às vezes, dá até para colocar o estepe embaixo da própria roda, para servir de apoio”, afirma Eduardo Sachs.

Tração total, solução parcial

Ter um 4×4 não significa que ele nunca atolará. Que as chances são menores, sim, é verdade, mas sempre há o risco, ainda mais com pneus de asfalto ou de uso misto. O importante é lembrar-se de engatar o 4×4 antes de entrar no terreno perigoso. “Se atolar, examine qual a profundidade do problema, se não tem um buraco mais fundo escondido embaixo da lama, se ele está preso pela barriga ou por um pneu só”, diz João Roberto Gaiotto.

Com um 4×4, você entra no atoleiro um pouco devagar e depois acelera. Se entrar muito forte, é possível quebrar algo na parte da frente. “O veículo não pode entrar acelerando demais nem com marcha fraca. Se você errar, não vai dar tempo de puxar a marcha certa e ele provavelmente vai afundar”, diz Eduardo Sachs.

Olha a mão!

Empurrar um carro pode não ser tão fácil quanto você pensa. Colocar as mãos no meio da lataria, nas grades ou no farol não dará bom resultado. Evite empurrar pela parte plástica do veículo. Prefira pôr as mãos nas colunas, nos cantos e nas partes mais rígidas da estrutura.

GUIA DE PREVENÇÃO

Há no mercado de off-road equipamentos que podem salvar sua viagem. Mais indicados para picapes ou utilitários esportivos, eles são úteis em terrenos com muita areia ou lama pela frente.

Guincho elétrico


É só prender o cabo numa árvore ou pedra grande (com a ajuda de uma cinta de náilon) e ligar, que ele puxa o carro sozinho.

Cinta de náilon


Ideal para usar em volta de uma árvore, para ancorar o guincho. Também pode ser usada como uma corda para puxar o carro. Leve pelo menos duas, uma curta e outra longa.

Manilha


Serve para conectar cintas, cabos de aço e cordas em pontos de ancoragem no veículo, árvores ou rochas. É prudente levar duas peças para uso e uma de reserva.

Prancha ou esteira


Feita de aço ou alumínio, forma uma trilha firme e de alto atrito para o veículo passar por cima.

Macaco inflável


Versátil para içar qualquer carro ou SUV em até 70 cm em solos macios, como areia e lama.

Fonte: https://quatrorodas.abril.com.br/auto-servico/o-manual-para-encarar-a-lama-sem-drama/